Governo do Rio de Janeiro Rio Poupa Tempo na Web Governo Aberto RJ Página inicial
Aumentar letra    Diminuir letra    Letra normal
Compartilhe nas mídias sociais  
Home :: Plantão dengue :: Destaques

Destaques

Chikungunya: saiba mais sobre a doença e previna-se
29/01/2018

Assim como a dengue e a zika, a chikungunya é uma arbovirose transmitida pelo mosquito Aedes aegypti

Chikungunya: saiba mais sobre a doença e previna-se

A dengue, infelizmente, já é conhecida nossa. Ao longo dos anos foram muitas as epidemias da doença e, por isso, ela é uma preocupação frequente. A zika é, digamos, uma conhecida mais recente. Além dos casos registrados no verão passado ela foi associada a casos de microcefalia e a complicações neurológicas como a Síndrome de Guillain-Barré. Mas e a chikungunya, você conhece?

Até 2013 a chikungunya tinha transmissão autóctone – dentro do próprio território – somente em países da África e Ásia. No final de 2013 foi registrada a transmissão autóctone na região do Caribe e em 2014 a Organização Mundial de Saúde (OMS) registrou a transmissão da doença também na Guiana Francesa, na América do Sul. No Brasil, os primeiros casos, importados, foram notificados também em 2014.

Assim como a dengue e a zika, a chikungunya é uma arbovirose transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. Os sintomas também são parecidos, com algumas variações. Assim como a dengue, a chikungunya causa febre alta, dor de cabeça, dores articulares e dores musculares. Mas embora os sinais e sintomas sejam parecidos, a intensidade é diferente. A dor nas articulações (artralgia), por exemplo, costuma ser mais intensa.

Isso explica o próprio nome da doença. Chikungunya significa “aqueles que se dobram” em um dos idiomas da Tanzânia. Uma referência à aparência curvada dos pacientes que foram atendidos na primeira epidemia documentada no país, localizado no leste da África, entre 1952 e 1953. Além disso, a Chikungunya eventualmente causa quadros mais crônicos com sinais e sintomas que podem se arrastar por meses.

Os sintomas são tratados com medicação para a febre (paracetamol) e as dores articulares (antiinflamatórios). Na fase aguda, não é recomendado o uso de ácido acetil salicílico (AAS) e antiinflamatórios não hormonais (AINH) devido ao risco de hemorragia. Não é necessário o isolamento. Recomenda-se repouso absoluto ao paciente, que deve beber líquidos em abundância.

A internação é aconselhada apenas nos casos que apresentarem maior gravidade. Em geral, o paciente se recupera em dez dias após o início dos sintomas. No entanto, caso as dores nas articulações persistam, o paciente deve voltar à unidade de saúde para avaliação médica.

Prevenção

Como o transmissor das três arboviroses é o mesmo, o Aedes aegypti, as formas de prevenção da chikungunya são as mesmas da dengue e da zika. Para evitar as doenças é preciso evitar a proliferação do vetor. Como ele é um mosquito urbano, que tem hábitos domésticos, a maior parte de seus criadouros está dentro das residências. Por isso é importante que todos façam sua parte.

Na prática, isso significa dedicar 10 minutos por semana para identificar e eliminar possíveis criadouros. Este intervalo é determinado pelo ciclo de vida do mosquito. Como este ciclo leva, do ovo até a fase adulta, cerca de 7 a 10 dias, se a verificação e eliminação dos criadouros – caixas d’água, galões, tonéis, vasos de plantas, calhas, garrafas, lixo e bandejas de ar-condicionado, entre outros – forem realizadas uma vez por semana, será possível evitar o nascimento de novos mosquitos.


Denúncia de focos



As secretarias Municipais de Saúde são as responsáveis pelo combate direto ao mosquito.

Clique aqui e veja como entrar em contato com a secretaria de sua cidade.
Acompanhe o Rio Contra Dengue nas mídias sociais

Facebook Twitter Youtube
Secretaria de saúde
Links interessantes:
PET Rio sem fumo Rio imagem Rio com Saúde Xô, Zika !!


Alguns direitos reservados
Esta obra é licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil