Governo do Rio de Janeiro Rio Poupa Tempo na Web Informação Pública Página inicial
Aumentar letra    Diminuir letra    Letra normal
Compartilhe nas mídias sociais  
Home :: LIRAa: Mapa da dengue no estado

LIRAa: Mapa da dengue no estado


O Levantamento de Índice Rápido para o Aedes aegypti (LIRAa) foi idealizando para monitorar a população (e dispersão) do vetor da Dengue. Contudo, com a introdução da Febre de Chikungunya no país, a metodologia passou a ser adotada também para o monitoramento do Aedes albopictus, que também é capaz de transmitir a doença.

A Febre de Chikungunya é uma doença parecida com a Dengue, causada pelo vírus CHIKV, da família Togaviridae, que tem seu modo de transmissão também pela picada do mosquito Aedes aegypti infectado e, menos comumente, pelo mosquito Aedes albopictus, justificando a importância deste monitoramento, visto que, ambas as espécies têm todas as condições de espalhar esses vírus durante o verão.

O LIRAa, realizado periodicamente pelos municípios do Estado do Rio de Janeiro, fornece o Índice de Infestação Predial (IIP) e o Índice de Infestação em Depósitos (Índice de Breteau – IB) do Aedes aegypti e do Aedes albopictus, isso o torna um importante instrumento de orientação, pois identifica as áreas prioritárias para medidas e ações estratégicas de controle e combate ao mosquito, visando à redução dos índices de infestação municipais e, consequentemente, o controle da Dengue e da Febre de Chikungunya. Em cada município, agentes de saúde visitam residências e outros tipos de imóveis, para inspecionar e identificar os criadouros e, ao encontrar, coletar as larvas ou pupas para análise em laboratório.

De acordo com as Diretrizes Nacionais para Prevenção e Controle de Epidemias de Dengue (2009), os parâmetros para classificação dos estratos e dos municípios, quanto à infestação pelo Aedes aegypti (e também adotados para o Aedes albopictus), são: menor que 1%, satisfatório; de 1% e 3,99%, alerta; acima de 3,99%, risco.

 

Plano Nacional de Enfrentamento da Microcefalia

O Ministério da Saúde declarou a alteração no padrão epidemiológico de ocorrências de microcefalias como Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN), com a publicação da portaria nº 1.813, de 11 de novembro de 2015, onde institui a Sala Nacional de Coordenação e Controle para Enfretamento da Microcefalia (SNCC).

A Diretriz Geral SNCC/2015 define o Sistema de Coordenação e Controle para intensificar as ações de mobilização e combate ao mosquito e a Diretriz SNCC nº 01 reorganiza as ações para intensificar o combate ao Aedes aegypti durante o período emergencial.

A Diretriz SNCC nº 1.3 de dezembro de 2016, atualiza a Diretriz SNCC nº 1.1 no que se refere ao Calendário de Ciclos de Visitas Domiciliares para 2017, definindo 06 ciclos compostos por 60 dias, cada.

 

Levantamento do Aedes aegypti

Em 2017, o segundo levantamento foi realizado no início da 10ª semana epidemiológica, compreendida entre os dias 5 e 11 de março de 2017. Com base nas informações recebidas dos municípios, configurou-se o seguinte cenário para o estado:

  • Dos 92 municípios, 84 (91,3%) informaram a realização do levantamento. Destes, 44 (52,4%) classificados como satisfatórios e 35 (41,6%) em alerta e 05 (6,0%) em risco. Neste ciclo, 08 municípios não informaram (8,7%).
  • Foram pesquisados 950 estratos amostrais. Destes, 536 (56,4%) classificados como satisfatório, 371 (39,1%) em alerta e 43 (4,5%) em risco, este último, distribuído em 22 municípios.


Municípios que apresentaram estratos classificados com Risco, por região:

Metropolitana I

  • Duque de Caxias (57 estratos: 21 satisfatórios, 32 em alerta e 4 em risco)
  • Mesquita (8 estratos: 5 satisfatórios, 2 em alerta e 1 em risco)
  • Nova Iguaçu (43 estratos: 14 satisfatórios, 28 em alerta e 1 em risco)


Metropolitana II

  • Itaboraí (18 estratos: 1 satisfatório, 11 em alerta e 6 em risco)
  • Niterói (19 estratos: 10 satisfatórios, 8 em alerta e 1 em risco)
  • Rio Bonito (5 estratos: 1 satisfatório, 2 em alerta e 2 em risco)
  • São Gonçalo (52 estratos: 12 satisfatórios, 35 em alerta e 5 em risco)
  • Tanguá (3 estratos: 1 satisfatório, 1 em alerta e 1 em risco)


Noroeste Fluminense

  • Italva (3 estratos: 2 em alerta e 1 em risco)
  • Itaocara (2 estratos: 1 em alerta e 1 em risco)
  • Laje do Muriaé (1 estratos em risco)
  • Miracema (5 estratos em risco)


Norte Fluminense

  • Macaé (12 estratos: 6 satisfatórios, 0 em alerta e 1 em risco)
  • Quissamã (3 estratos: 2 satisfatórios e 1 em risco)


Baixada Litorânea

  • Rio das Ostras (10 estratos: 5 satisfatórios, 4 em alerta e 1 em risco)


Médio Paraíba

  • Volta Redonda (12 estratos: 10 em alerta e 2 em risco)
  • Pirai (2 estratos: 1 satisfatório e 1 em risco)


Centro Sul Fluminense

  • Comendador Levy Gasparian (1 estrato em risco)


Litoral Sul Fluminense

  • Angra dos Reis (17 estratos: 8 satisfatórios, 8 em alerta e 1 em risco)
  • Paraty (3 estratos: 2 satisfatórios e 01 em risco)


Serrana

  • Guapimirim (57 estratos: 21 satisfatórios, 32 em alerta e 4 em risco)
  • Trajano de Moraes (1 estrato em risco)


Das 9 regiões, todas apresentam estratos em alto risco, colocando os municípios que fazem fronteira entre si e com outros estados em alerta, pela possibilidade de propagação do vetor nestas regiões. A Diretriz SNCC nº 01 suspendeu a realização do levantamento de março de 2016, impossibilitando a comparação sazonal.

Os 6 municípios que apresentaram os maiores Índices de Infestação Predial foram: Levy Gasparian (6,8%), Laje do Muriaé (6,5%), Miracema (5,6%), Italva (4,2%), Trajano de Moraes (4,1%) e Itaocara (3,8%). Os municípios que apresentam índice zero foram: Areal, Pinheiral, Rio Claro, Cambuci, São Francisco do Itabapoana, Cachoeiras de Macacu, Santa Maria Madalena, São José do Vale do Rio Preto e Sumidouro.

A persistência de estratos em risco aponta a fragilidade na cobertura ou na qualidade do trabalho realizado pelos municípios na visita domiciliar. Considerando o trabalho realizado no ano anterior, não era para ocorrer estratos em alto risco e os índices de infestação deveriam estar bem mais próximos de 1%: (satisfatório). Mesmo com o processo de transição decorrente da mudança de alguns gestores, após a realização das eleições municipais.

A sazonalidade tem grande impacto no LIRAa, isto porque o clima interfere diretamente no comportamento e na reprodução do vetor, logo, não se deve comparar os IIP de períodos distintos. No entanto, é possível utilizar alguns resultados do levantamento imediatamente anterior como parâmetro. Neste caso, comparado ao realizado em Janeiro de 2017, observa-se aumento no número de municípios classificados como satisfatório de 39 para 44, em alerta de 24 para 35 e em risco de 1 para 5.

É importante registrar que o Levantamento de janeiro de 2017 teve baixa adesão dos municípios (apenas 64 realizaram) por reflexo da mudança de gestão municipal, decorrente do processo eleitoral, quando observamos casos de perda de recursos humanos por fim de contratos e/ou nomeação tardia dos responsáveis pelo controle de vetores, impedindo a realização do levantamento há tempo de cumprir o calendário estadual.

Contudo, o Estado do Rio de Janeiro permanece na classificação de ALERTA.

A ocorrência de casos de Febre Amarela nos estados vizinhos ao Rio de Janeiro, com possibilidade de reintrodução da circulação urbana da doença, reforça a necessidade de intensificar as estratégias de controle do mosquito Aedes aegypti em todo território estadual, em particular, nos municípios que fazem limite com esses estados.


Depósitos predominantes (onde foram encontrados focos do vetor com mais frequência)

Observamos que os depósitos do tipo A2, B, C e D2 são responsáveis por 90,1% dos 4.769 criadouros encontrados neste levantamento, evidenciando o desafio de prover um serviço público de qualidade, com foco na cobertura e suficiência e de sensibilizar a população quanto a importância do seu papel na prevenção e eliminação de prováveis criadouros do vetor.

Características dos depósitos predominantes identificados:

  • A2: refere-se ao recipiente usado como reservatório de água, complementar, para consumo humano, o que reflete a deficiência no sistema de abastecimento, fato que aponta para uma ação integrada dos setores do poder público, não dependendo apenas dos ocupantes do imóvel.
  • B: refere-se aos depósitos móveis - vasos/frascos com água, prato, garrafas, pingadeira, recipientes de degelo em geladeiras, bebedouros em geral, pequenas fontes ornamentais, materiais em depósitos de construção (sanitários estocados, etc.), objetos religiosos. Para esse tipo de depósito as soluções são de responsabilidade dos ocupantes do imóvel, pois requerem ações cotidianas de inspeção dos seus ambientes, para eliminação de possíveis criadouros do mosquito.
  • C: refere-se aos depósitos fixos - tanques em obras, borracharias e hortas, calhas, lajes e toldos em desníveis, ralos, sanitários em desuso, piscinas não tratadas, fontes ornamentais; floreiras / vasos em cemitério; cacos de vidro em muros, outras obras arquitetônicas (caixas de inspeção / passagens). Requerem ações tanto dos ocupantes do imóvel, quanto do poder público.
  • D2: refere-se ao lixo (recipientes plásticos, garrafas, latas); sucatas em pátios e ferro velhos (PE), entulhos em construção. Requer ações dos ocupantes do imóvel, armazenando corretamente seu lixo, e do poder público, mantendo a regularidade da coleta e monitorando os locais de armazenamento de sucatas e de reciclagem.

 

 

Levantamento do Aedes albopictus

O presente levantamento tem como objetivos, descrever e analisar a evolução da infestação pelo Aedes albopictus nas regiões urbanas dos municípios e discutir seu possível papel de elo entre as formas silvestre e urbana da transmissão do vírus. O vetor consegue se dispersar muito bem entre a mata e a cidade. Como existem vários vírus circulando em ambiente silvestre, o Ae. albopictus, por sua característica exofílica, se torna um vetor com potencial para se infectar com um vírus silvestre e levar este vírus para o ambiente urbano.

Esse mosquito tem demonstrado elevada capacidade para utilizar uma ampla variedade de criadouros artificiais no território urbano, sem abandonar ecótopos naturais. As formas imaturas desse mosquito nas áreas urbanas se mantêm, principalmente, em pneus, caixa d’água, vasos de plantas, latas, garrafas, bebedouros de animais e/ou ainda outros objetos que retenham água (Ministério da Saúde, 1998).

Dos 84 municípios que informaram o LIRAa, o vetor foi encontrado em 66, evidenciando sua presença em todas as regiões do Estado, como mostra o mapa acima. Nele observamos aumento em relação a Janeiro de 2017, que foi encontrado em 40 municípios. Os 4 municípios que apresentaram os maiores Índices de Infestação Predial para Aedes albopictus foram: Trajano de Moraes (6,4%), São José do Vale do Rio Preto (6,0%), Miguel Pereira (3,0%) e Sumidouro (2,9%).

Confira aqui a apresentação completa!


Denúncia de focos



As secretarias Municipais de Saúde são as responsáveis pelo combate direto ao mosquito.

Clique aqui e veja como entrar em contato com a secretaria de sua cidade.
Acompanhe o Rio Contra Dengue nas mídias sociais

Facebook Twitter Youtube
Secretaria de saúde
Links interessantes:
PET Rio sem fumo Rio imagem Rio com Saúde Xô, Zika !!


Alguns direitos reservados
Esta obra é licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil